Quarta-feira, 10 de Outubro de 2007

O Islamismo em África

 

Penetração islâmica em África
Carla Folgôa *
Em: http://www.janusonline.pt/2003/2003_2_2_11.html#5
 
A religião islâmica assume grande importância não só no norte de África, mas em todo o continente africano. O encontro do Islão com o animismo africano resultou numa solução religiosa, que foi facilmente assimilada por parte da população, transformando-se numa forma alternativa de organização social.
 
Apesar de mais de 20% do total mundial de muçulmanos viverem na África subsariana, os conflitos vividos na região não se devem a causas religiosas, mas redicam na luta pelo controle de riquezas, na fraqueza dos Estados e na falta de meios financeiros para que estes desempenhem funções sociais.
 
A ideia de que mais de um terço da população africana partilha a fé islâmica não nos passa imediatamente pela cabeça quando se pensa em África.
 
Se nos habituámos a considerar os países do Norte de África como parte do mundo árabe, não reconhecemos tão facilmente a influência islâmica ao sul do Sara.
 
No entanto, o papel do Islão como força política, social e religiosa na África sub-sariana é também muito importante. Países como o Senegal, o Mali, a Somália têm maiorias muçulmanas. Metade dos 113 milhões de habitantes da Nigéria são muçulmanos. Países como o Gana, o Uganda, o Quénia e a Tanzânia têm grandes comunidades muçulmanas.
 
O Islão é uma religião fortemente implantada há séculos no continente e como tal tem desempenhado um papel preponderante na evolução de muitas nações africanas. Continua hoje a ser uma religião em expansão, apresentando-se como um sistema alternativo de organização social, política e económica para as comunidades islamizadas.
 
Como conseguiu o Islão alcançar tão importante posição nesta vasta área e que características adquiriu o Islão em África? Quais os países onde este processo tem sido mais problemático na actualidade?
 
A islamização de África tem sido um longo e complexo processo.
 
Em 640 d.c. registou-se a conquista do Norte de África, desde o Egipto até Marrocos. Ao contrário do resto do continente, no Norte de África desenrolaram-se dois processos distintos: islamização e arabização. Por islamização pretende-se referir o processo pelo qual os povos do Norte de África se converteram à religião islâmica e se tornaram muçulmanos. Por arabização refere-se o processo de aculturação através do qual estes povos absorveram numerosos aspectos da cultura árabe, nomeadamente a língua(1).
 
Ao mesmo tempo que decorria a conquista do Norte de África, o Islão atingiu a África Oriental, não através da conquista armada mas através do comércio no mar Vermelho e no oceano Índico.
 
Mais tarde regista-se uma expansão por vagas sucessivas do norte para o sul através do Sara, por via das migrações e do comércio de caravanas.
 
Esta expansão para sul foi variada na sua forma, tendo em conta a natureza da população muçulmana migrante e a sua atitude perante a religião. Cada grupo migrante tinha a sua forma de interagir com o povo acolhedor, o que teve efeitos nos métodos de islamização.
 
A adaptabilidade do Islão a diferentes ambientes e a sua interacção com a religião animista presente no continente africano vai permitir, por um lado, a sua fácil aceitação pelos africanos e, por outro, provocar mutações na religião islâmica de região para região. Como exemplo podem referir-se as celebrações islâmicas em partes da África Oriental, que incorporaram a dança e o tambor no seu seio. Estas duas características levam a que não se possa falar do Islão em África de uma forma global.

 
O fenómeno de expansão islâmica assume várias formas na actualidade: pode ser radical ou moderado, político ou apolítico, democrático ou autoritário, envolvendo desde esforços ao nível da educação nas escolas corânicas, a tentativas de chegada ao poder. Ao sul do continente africano, a grande mutação que se regista é a maior influência muçulmana dos países da península arábica. Estes países estão presentes em domínios tão variados como a formação de intelectuais, a construção de mesquitas e o financiamento de obras de caridade e fundações diversas.
  
 O Islão no quadro da reorganização do mundo pós-Guerra Fria 
 
Desde os atentados ocorridos a 11 de Setembro que a palavra Islão adquiriu outro significado para o mundo. Numerosos artigos nos EUA e na Europa, que até então ignoraram África, falam agora do facto de mais de 20% dos muçulmanos viverem na África sub-sariana, e de existirem mais muçulmanos em África do que no Médio Oriente.
 
Os conflitos religiosos no continente africano assumiram uma outra dimensão.
 
No entanto, é necessário ter em conta que o Islão em si não é a principal fonte destes conflitos. O problema em África é que os conflitos religiosos estão a mascarar problemas mais prementes como o controlo de riquezas, a fraqueza dos Estados e a falta de meios financeiros para desempenhar o seu papel na educação, saúde, etc., criando tensões que estão a ser definidas em termos islâmicos. Em países como a Nigéria, a Somália ou o Sudão onde os conflitos religiosos se encontram acesos, o Estado falhou no seu papel, e as instituições que conseguem manter algum funcionalismo são precisamente as religiosas (islâmicas e cristãs). São elas que mantêm a educação, apoios humanitários, assumindo mesmo, em alguns Estados, outras funções, como a construção de estradas.
 
É necessário ter em conta que o Islão em África é muitas vezes usado pelos líderes africanos como um instrumento político, uma forma de desviar as atenções dos conflitos locais, que nada tem a ver com o choque de civilizações, mas sim com a alocação de recursos e ainda que em muitas sociedades africanas o Islão convive pacificamente com as outras comunidades. É importante não confundir Islão com fundamentalismo islâmico.
 
Os políticos jogam a carta religiosa e étnica para conseguir apoios, dividir e conquistar.
 
O actual receio terrorista que assola o Ocidente, conjugado com a complexidade e diversidade de problemas que enfrenta o continente africano, representa um risco, pois pode ser usado pelos líderes africanos, não só para adiar reformas conducentes à liberalização política (tal como no passado, após o resultado eleitoral na Argélia), mas também para esmagar a oposição interna e externa, com a cumplicidade do Ocidente.
 
Durante o mandato de Clinton, o fundamentalismo islâmico foi uma das preocupações americanas no continente. A nova abordagem americana assentou numa nova geração de líderes independentes como Isaias Afwerki, da Eritreia, Meles Zenawi, da Etiópia, Yoweri Museveni, do Uganda e Paul Kagame, do Ruanda. Através destes países, os EUA procuraram deter a expansão do fundamentalismo islâmico, sobretudo do Sudão. Contudo, o renascimento africano proclamado por Clinton falhou. Não foi possível, num espaço de tempo limitado, resolver os problemas estruturais que África encerra.
 
Enquanto o continente africano continuar a ter Estados disfuncionais, desintegração social, rápido crescimento populacional, taxas de HIV elevadas, guerras, deslocados, fome, as tensões continuarão a existir. O fundamentalis-mo islâmico será apenas mais uma dessas tensões.  
 
Informação complementar
 
  Somália 
 
A fraqueza do Estado central tem consequências também na Somália. Para 90% das crianças em idade escolar, os únicos estabelecimentos de ensino existentes são as escolas corânicas. Após uma longa e sangrenta guerra civil, as únicas instituições que funcionam são os tribunais, escolas e mesquitas islâmicas. São estas instituições que conseguem trazer alguma ordem a zonas anteriormente anárquicas. A lei da sharia está em vigor desde 1993. 
 
    Sudão   
 
No Sudão, uma guerra civil sangrenta dura já há 18 anos entre o regime islâmico militar no Norte, e a oposição animista e cristã ao Sul. A descoberta de petróleo (ver mapa “Produção de petróleo no Sudão”) no Sul do Sudão em 1983 contribuiu para o reacender da guerra. Desde então, as diferenças religiosas e étnicas têm sido usadas como arma para controlar as áreas de produção. Cartum procura impor a Sharia a todo o país, ao contrário dos outros Estados africanos, onde apenas é imposta às comunidades muçulmanas.
 
    Nigéria   
 
O actual problema de tensões religiosas na Nigéria – com os esforços dos Estados do Norte para implementar a sharia(3) – tem fortes raízes históricas, étnicas, culturais, políticas e económicas. Em particular, é claro que o facto de a Nigéria ter falhado no uso dos vastos recursos petrolíferos (ver mapa intitulado “Principais áreas de conflito e número de IDP na Nigéria”), concentrados no Sul, para proporcionar melhores condições de vida e um sistema socioeconómico relativamente equitativo contribuiu para o exacerbar das divisões religiosas. Enquanto os problemas económicos e sociais continuarem na Nigéria, o risco de manipulação religiosa para fins políticos e o apelo à religião para encontrar respostas a problemas do mundo material continuarão.
 
__________
1. Semelhante processo decorre actualmente no Sudão.
2. Na Tanzânia, o presidente Mkapa tem sido acusado de usar como pretexto o fundamentalismo Islâmico do partido CUF para suprimir a oposição no país. No Uganda, os líderes da oposição estão receosos de que a lei recentemente aprovada de pena de morte para quem esteja envolvido ou apoie o terrorismo seja usada para neutralizar os opositores e críticos do regime. A Etiópia vê na actual antipatia por grupos terroristas no Corno de África uma forma de atrair o apoio dos EUA para exercer uma maior pressão sobre os seus inimigos baseados na Somália, especialmente a Al Itihaad.
3. Desde Janeiro de 2000, 12 Estados do Norte introduziram a Sharia.
  
* Carla Folgôa
Licenciada em Relações Internacionais pela UAL. Assessora da Direcção do Conselho Português para os Refugiados.
  post de Naya Alfredo
publicado por jdc às 16:43

link do post | comentar | favorito
|
subscreva1c

Introduz o teu e-mail:

.Novembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. O Enselvajamento do Outro

. Workshop

. O Islamismo em África

. Era tudo Terra de Índio

. Negritude e Racismo

. 2ª Aula - 27 de Setembro

. PROGRAMA

. Cinco Blogues

.arquivos

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.participar

. participe neste blog

.pesquisar